top of page

31/08/23- Ciranda de Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques-EP:04

Realização: A Casa Frida & Confraria das Lagartixas



Quarta Parte da Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques


Como acompanhar a nossa ciranda com a leitura


Parágrafo Inicial:


“No dia em que Florentino Ariza viu Fermina Daza no adro da catedral, grávida de seis meses e com pleno domínio de sua nova condição de mulher no mundo, tomou a decisão feroz de ganhar nome e fortuna para merecê-la.” (Na Record, tradução de Antônio Callado, inicia na página 205)


Parágrafo final:


“Foi a época em que se amaram melhor, sem pressa e sem excessos, e ambos foram mais conscientes e gratos pelas vitórias inverossímeis contra a adversidade. A vida ainda havia de confrontá-los com outras provas mortais, sem dúvida, mas já não tinha importância: estavam na outra margem.”

(Na Record, tradução de Antônio Callado, vai até a página 278)

O Amor nos Tempos do Coléra - Quarta Parte
.pdf
Download PDF • 54.85MB



Para nossa próxima travessia literária, estipulamos o valor mínimo de R$ 20 por encontro, como forma de contribuição simbólica. Para cobrir custos com marketing e divulgação, aluguel da sala digital, além da curadoria da Confraria das Lagartixas e da A Casa Frida.




“A única coisa que me interessa é o amor.” Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"Os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra e muitas vezes a se parirem a si mesmos." Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"Levou além dele um garrafão de aguardente caseira e os ingredientes de melhor qualidade para uma panelada épica, como só era possível com galinhas de quinta, carne de osso mole, porco de monturo e os legumes e hortaliças dos povoados do rio."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"Sentiu um calafrio nas vísceras que o deixou sem luz, e teve que soltar as ferramentas de jardim e se apoiar no muro do cemitério para não ser derrubado pela primeira patada da velhice."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"Só me dói morrer se não for de amor."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

" Então apelou para suas últimas forças e obrigou o marido a discutir sem evasivas, a lhe fazer frente, a brigar com ela, a chorarem juntos de raiva pela perda do paraíso, até que ouvissem cantar os últimos galos, e a luz se fez pelos beirais do palácio, e se acendeu o sol, e o marido inflamado de tanto falar, esgotado de não dormir, com o coração fortalecido de tanto chorar, apertou os cordões das botas, apertou o cinto, apertou tudo o que ainda lhe restava de homem, e lhe disse que sim, meu amor, que iam buscar o amor que havia fugido deles... amanhã mesmo e para sempre."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"Ela o sentira sair do seu corpo com o alívio de se livrar de algo que não era seu, e tinha sofrido com o próprio espanto ao comprovar que não sentia o menor afeto por aquele bezerro nonato que a parteira lhe mostrou em carne viva, sujo de sebo e de sangue, e com a tripa umbilical enrolada no pescoço. Mas na solidão do palácio aprendeu a conhecê-lo, se conheceram, e descobriu com grande emoção que os filhos não são queridos por serem filhos e sim pela amizade que surge quando os criamos."

Gabriel García Márquez



Ilustração por Luisa Rivera

"Metia-se debaixo dele, e se apoderava dele todo para ela, encerrada dentro de si mesma, tateando com os olhos fechados em sua absoluta escuridão interior, avançando por aqui, retrocedendo, corrigindo seu rumo invisível, tentando outra via mais intensa, outra forma de andar sem naufragar no alagado da mucilagem que fluía do seu ventre, se perguntando e se respondendo a si mesma com um zumbido de varejeira em seu jargão nativo onde ficava essa alguma coisa nas trevas que só ela conhecia e ansiava só para ela, até que sucumbia sem esperar ninguém, se desbarrancava só em seu abismo com uma explosão jubilosa de vitória total que fazia tremer o mundo."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

"O problema do casamento é que se acaba todas as noites depois de se fazer o amor, e é preciso tornar a reconstruí-lo todas as manhãs antes do café."

Gabriel García Márquez


Ilustração por Luisa Rivera

" O problema da vida pública é aprender a dominar o terror, o problema da vida conjugal é aprender a dominar o tédio."

Gabriel García Márquez

Ilustração por Luisa Rivera

"A vida ainda havia de confrontá-los com outras provas mortais, sem dúvida, mas já não tinha importância: estavam na outra margem."

Gabriel García Márquez


 
Foto: centrogabo.org / divulgação

Contando Amores Contínuos: As mulheres de Florentino Ariza


Cinquenta e um anos, nove meses e quatro dias: foi o tempo que Florentino Ariza teve que esperar para fazer Fermina Daza se apaixonar novamente em Amor nos tempos do cólera , romance de Gabriel García Márquez ambientado no Caribe que justifica a paixão na velhice

Nessa espera de mais de meio século, Florentino Ariza manteve intacta sua promessa de amor baseada em um princípio filosófico que aprendeu com uma de suas muitas amantes: "amor da alma da cintura para cima e amor do corpo da cintura para baixo." . É assim que consegue dormir com seiscentas e vinte e duas mulheres sem desistir do desejo de se casar com Fermina Daza. Esses 'amores continuados', como o narrador os chama, estão registrados em cinco cadernos secretos que Florentino Ariza preenche com o rigor de um tabelião.

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Compartilhamos com você as histórias inusitadas de dez dessas mulheres que se apaixonaram por Florentino enquanto ele esperava por Fermina Daza.


Rosalba, a mulher do navio

Trata-se da mulher que deflora Florentino Ariza em um assalto repentino durante um passeio de barco no rio Magdalena. Com ela, Florentino descobre que sua obsessão por Fermina Daza pode ser temporariamente substituída por uma paixão terrena. Apesar da rapidez do primeiro encontro sexual, o passar do tempo fará com que ele se lembre da ocasião com cada vez mais nostalgia e até amor.

"Uma noite, quando interrompeu a leitura mais cedo do que de costume, ia distraidamente ao banheiro quando uma porta se abriu em seu caminho na sala de jantar deserta e a mão de um falcão o agarrou pela manga da camisa e o trancou em uma cabana. Ele mal podia sentir o corpo eterno de uma mulher nua na escuridão, encharcada de suor quente e respirando descontroladamente, empurrando-o de bruços no beliche, desfazendo a fivela do cinto, desabotoando os botões e fugindo. Ela se desmembrou montando nele, e lhe tiraram a virgindade inglória. Ambos caíram morrendo no vazio de um abismo sem fundo cheirando a sapal de camarão. Ela ficou ali por um momento em cima dele, ofegante, e deixou de existir na escuridão.

"Agora vá embora e esqueça", ele disse a ela. Isso nunca aconteceu."

A viúva de Nazaré, a viúva livre

A viúva de Nazareth é a segunda mulher com quem Florentino Ariza dormiu e a primeira a aparecer no caderno de seus 'namoros continuados'. A relação começa com a cumplicidade de Trânsito Ariza, mãe de Florentino, que abriga a viúva no quarto do filho durante o cerco do general rebelde Ricardo Gaitán Obeso. Desde então, ambos tiveram encontros ocasionais em muitos momentos de suas vidas, experimentando as reviravoltas sexuais que ele havia observado no bordel do porto.

"Sentada na beira da cama onde jazia Florentino Ariza, sem saber o que fazer, começou a falar-lhe da sua inconsolável dor pelo marido falecido três anos antes, e enquanto isso se desfazia e atirava à viúva crape no ar, até que ele nem tinha a aliança de casamento. Ela tirou a blusa de tafetá com contas e jogou-a do outro lado do quarto na poltrona no canto, jogou o corpete por cima do ombro para o outro lado da cama, arrancou a saia longa com a anágua de babados, a cinta-liga de cetim , e as meias de seda fúnebres, e ela as espalhou por todo o chão, até que o quarto estivesse forrado com os últimos restos de seu luto. Ele fez isso com tanta alegria, e com pausas tão bem medidas, que cada gesto seu parecia celebrado pelos tiros de canhão das tropas de assalto, que abalavam a cidade até os alicerces. Florentino Ariza tentou ajudá-la a desapertar o fecho do ajustador, mas ela antecipou-se com hábil manobra, pois em cinco anos de devoção conjugal aprendera a ser autossuficiente em todos os trâmites do amor, inclusive seus preâmbulos, sem a ajuda de ninguém. Finalmente, ela tirou a calcinha de renda, deslizando-a pelas pernas em um movimento rápido de nadador, e ficou nua. mesmo seus preâmbulos, sem ajuda de ninguém. Finalmente, ela tirou a calcinha de renda, deslizando-a pelas pernas em um movimento rápido de nadador, e ficou nua. mesmo seus preâmbulos, sem ajuda de ninguém. Finalmente, ela tirou a calcinha de renda, deslizando-a pelas pernas em um movimento rápido de nadador, e ficou nua."

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Ausência Santander, o amante duplo

Ela era uma mulher separada que tinha três filhos e estava com quase cinquenta anos. Morava com o amante, o capitão Rosendo de la Rosa, desde que se casaram e apresentou Florentino Ariza às suas paixões quando o conheceu pela primeira vez. Nos dias em que o capitão navegava, Florentino aproveitava para dormir com Ausência. Certa vez, enquanto se amavam trancados no quarto, alguns ladrões entraram na casa e roubaram todos os objetos de valor, mas não sem antes deixar uma mensagem escrita na parede: "Isso é o que acontece com eles por andarem por aí".

"Ele mal acabara de fazer quando ela o agrediu sem lhe dar tempo para nada, fosse no mesmo sofá onde ela acabara de despi-lo, e só de vez em quando na cama. Subjugava-o e tomava conta dele por inteiro, trancada em si mesma, tateando de olhos fechados em sua escuridão interior absoluta, avançando aqui, voltando, corrigindo seu rumo invisível, tentando outro caminho mais intenso, outro caminho. de caminhar sem naufragar no pântano de mucilagem que lhe escorria do ventre, perguntando-se e respondendo a si mesma com um zumbido de abelhão em seu jargão nativo onde estava aquela coisa na escuridão que só ela conhecia e almejava só para si, até que sucumbiu à espera de ninguém, mergulhou sozinho em seu abismo com uma explosão jubilosa de vitória total que fez o mundo tremer."

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Leona Cassiani, a fiel amiga

Leona Cassiani, a “brava negra”, é descrita no romance como a verdadeira esposa de Florentino Ariza e a única com quem ele nunca conseguiu fazer amor. Eles se conheceram no bonde da cidade, quando ela o abordou para pedir um emprego na Compañía Fluvial del Caribe. Era uma das pessoas mais inteligentes que trabalhavam no CFC, uma das mais compreensivas do coração de Florentino e a única a quem ele poderia confessar sua secreta paixão por Fermina Daza.

"Em vez de dar uma carona a Leona Cassiani, ele a conduziu pela cidade velha, onde seus passos ecoavam como ferraduras nos paralelepípedos. Às vezes escapavam fragmentos de vozes fugidias pelas varandas abertas, confidências dos quartos, soluços de amor engrandecidos pela acústica fantasmagórica e pela fragrância quente do jasmim nos becos adormecidos. Mais uma vez, Florentino Ariza teve que usar todas as suas forças para não revelar a Leona Cassiani seu amor reprimido por Fermina Daza. Caminharam juntos, contando os passos, amando-se lentamente como velhos amantes, ela pensando nas graças de Cabíria, ele pensando na sua própria desgraça. Um homem cantava em um balcão da Plaza de la Aduana, e sua canção se repetia por todo o recinto em ecos encadeados: "Quando atravessei as enormes ondas do mar." Na rua de los Santos de Piedra, quando se despedia dela em frente à sua casa, Florentino Ariza pediu a Leona Cassiani que o convidasse para um conhaque. Foi a segunda vez que ele o solicitou em circunstâncias semelhantes. Na primeira vez, dez anos antes, ela lhe dissera: "Se você subir nessa hora, terá que ficar para sempre". Ele não subiu."

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Sara Noriega, a poetisa enlouquecida

Florentino Ariza a conheceu no teatro, após a premiação dos Jogos Florais que ambos perderam. Ela morava em uma casa alugada na Pasaje de los Novios, no bairro de Getsemaní, e tinha o hábito de chupar chupeta durante o sexo porque só assim alcançaria a "glória total". Florentino Ariza comprou chupetas para ela no mercado e ela pendurou na cabeceira da cama para encontrá-las às cegas nos momentos de maior urgência. Os últimos dias de Sara Noriega terminaram no hospital psiquiátrico Divina Pastora, recitando versos obscenos a plenos pulmões que incomodavam os outros pacientes.

"Florentino Ariza, que nunca perdia o susto na primeira vez, mesmo nas ocasiões mais fáceis, arriscou-lhe com a ponta dos dedos uma carícia na pele do pescoço, e ela estremeceu com um gemido de menina mimada sem parar de chorar. Então ele a beijou no mesmo lugar, bem de leve, como havia feito com os dedos, e não conseguiu uma segunda vez porque ela se virou para ele com todo seu corpo monumental, faminto e quente, e eles rolaram no chão. chão nos braços um do outro. O gato acordou no sofá com um guincho e pulou sobre eles. Tatearam-se como estreantes apressados e se viram assim mesmo, chafurdando nos álbuns com as encadernações soltas, vestidos, encharcados de suor, e mais preocupados em esquivar-se das garras furiosas do gato do que com o desastre de amor que estavam cometendo."


Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Olimpia Zuleta, a pomba assassinada

A relação entre Olimpia Zuleta e Florentino Ariza foi fortalecida por meio de uma correspondência epistolar guiada por pombas. Ela era uma mulher singular, busto pequeno e cabelo ruivo que tinha uma bela voz que usava para fazer comentários inteligentes. Desde o primeiro encontro, deu a Florentino uma pomba que sempre voltava para casa com uma mensagem de amor amarrada nas pernas. Olímpia foi assassinada quando o marido descobriu o caso dela com Florentino.

"Seis meses após o primeiro encontro, eles finalmente se viram na cabine de um barco que estava sendo reformado nas docas do rio. Foi uma tarde maravilhosa. Olímpia Zuleta tinha um amor feliz, como um pombo bagunceiro, e gostava de ficar nua várias horas, num repouso lento que tinha por ela tanto amor quanto amor. A cabine estava desmontada, meio pintada, e o cheiro de terebintina era bom para levar como lembrança de uma tarde feliz. De repente, a mando de uma inspiração inusitada, Florentino Ariza descobriu um pote de tinta vermelha que estava ao alcance do beliche, molhou o dedo indicador e pintou uma flecha de sangue voltada para o sul no púbis do belo pombal e escreveu: Essa cuca é minha."

Prudencia Pitre, a Viúva de Dois

Conhecera Florentino Ariza depois de enviuvar, numa época em que poderia ter recebido o primeiro homem que quisesse acompanhá-la. Costumavam passar as noites a beber vinho do Porto e a comer picles em fatias de pão da serra que ela cortava na sua cozinha.

"Assim que se lembrou dela, Florentino Ariza voltou à Calle de las Ventanas, colocou duas garrafas de vinho do Porto e um pote de picles em uma sacola de mercado e foi vê-la sem nem saber se ela estava em sua casa habitual. sozinha, ou se ela estivesse viva.

Prudencia Pitre não havia esquecido a chave com os arranhões na porta, com a qual se identificou quando ainda acreditavam que eram jovens embora já não o fossem, e abriu-a sem questionar. A rua estava escura e ele mal era visível em seu vestido preto de tweed, capacete e guarda-chuva de morcego pendurado no braço, e ela não tinha olhos para vê-lo, exceto em plena luz do dia, mas ela o reconheceu pelo brilho da lanterna na luz do sol. armação de metal dos óculos. Ele parecia um assassino com as mãos ainda ensanguentadas.

"Asilo para um pobre órfão", disse ele."

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

Ángeles Alfaro, a violoncelista fugaz

A amante mais efêmera de todas. Ela veio para a cidade por seis meses para ensinar instrumentos de arco na Escola de Música. Gostava de tocar violoncelo nua no telhado de sua casa com Florentino Ariza, interpretando as mais belas suítes do mundo.

"Desde a primeira noite da lua, os dois quebraram seus corações com o amor por iniciantes ferozes. Mas Ángeles Alfaro partiu como veio, com o seu sexo tenro e o seu violoncelo de pecador, num transatlântico marcado pelo esquecimento, e dela só restou nos telhados enluarados os acenos de despedida com um lenço branco que parecia uma pomba na o horizonte, solitário e triste, como nos versos dos Jogos Florais. Com ela, Florentino Ariza aprendeu o que já havia sofrido muitas vezes sem saber: que se pode amar várias pessoas ao mesmo tempo, e todas com a mesma dor, sem trair nenhuma. Solitário no meio da multidão do cais, disse a si mesmo com uma explosão de raiva: 'O coração tem mais quartos do que um hotel para prostitutas.'"

Andrea Varón, Nossa Senhora de Todos

Eles a apelidaram de Nuestra Señora la de Todos porque em sua juventude ela havia sido uma cortesã lendária que dormia com figuras ilustres de armas e letras. Recebeu pensão vitalícia do Ministério da Fazenda (onde nunca havia trabalhado), apenas por ter atendido o presidente Rafael Reyes por meia hora de prazer. Florentino Ariza a conheceu quando era mais velho, e costumava entrar em sua casa quando as luzes da janela do banheiro estavam apagadas, que era o sinal de que ninguém havia entrado antes dele.

"Florentino Ariza violou seu sagrado princípio de não pagar por ela, e ela violou o dela de não fazê-lo de graça ou com o marido. Eles haviam combinado o preço simbólico de um peso por cada vez, mas ela não o recebeu nem ele deu a ela, em vez disso, eles o colocaram no cofrinho até que houvesse o suficiente para comprar qualquer mercearia do mercado. dos Notários. Foi ela quem atribuiu uma sensualidade diferente aos enemas que ele usava para as crises de prisão de ventre, e o convenceu a compartilhá-los, a aplicá-los juntos nas tardes loucas, tentando inventar ainda mais amor dentro do amor."

Gabriel García Márquez | Fonte: centrogabo.org

América Vicuña, a amante suicida

Foi a última mulher que Florentino Ariza teve antes de aparecer na casa de Fermina Daza e reiterar sua promessa de amor incondicional, após a morte do Dr. Urbino. Tinha 14 anos e vinha de Puerto Padre confiada a Florentino, que era seu tutor e guardião em assuntos educacionais. Quando o marido de Fermina Daza morreu, Florentino disse à América Vicuña que ia se casar, por isso não continuariam mais naquele tipo de relacionamento. Algum tempo depois, aflita por sua dor, ela tiraria a própria vida bebendo um frasco de láudano roubado da enfermaria de sua escola.

"América Vicuña, seu corpo pálido riscado de raios de luz de persianas mal fechadas, não tinha idade para pensar na morte. Fizeram amor depois do almoço e estavam de ressaca da sesta, ambos nus sob as pás do ventilador, cujo zumbido não era suficiente para esconder o crepitar do granizo dos urubus que caminhavam sobre o telhado de zinco superaquecido. Florentino Ariza a amou como amara tantas outras mulheres casuais em sua longa vida, mas amou esta com mais angústia do que qualquer outra porque tinha certeza de que morreria de velhice quando ela terminasse o colégio."


 

Um pedacinho da nossa última Ciranda de Leitura, por Ana Dagnino e Ana Cristina Cunha.


"Lasciate ogni speranza

voi ch'entrate"

"Deixai qualquer esperança, vós que entrais"


Este famoso verso se encontra na porta de entrada para o Inferno, a primeira parte de La Divina Commedia, a obra-prima de Dante Alighieri, da literatura italiana e da cultura da Idade Média.


Em O Amor nos Tempos do Cólera, Gabo nos trás “O Inferno” através dos “olhos da verdade” do Doutor Juvenal Urbino quando retorna do sonho de uma estada em Paris, para a dura realidade caribenha.


“A epidemia de cólera morbo, cujas primeiras vítimas tombaram fulminadas nos charcos do mercado, causara em onze semanas a maior mortandade da nossa história. Até então, alguns mortos insignes eram sepultados debaixo das lajes das igrejas, na vizinhança esquiva dos arcebispos e dignitários, e os menos ricos eram enterrados nos pátios dos conventos. Os pobres iam para o cemitério colonial, numa colina ventosa separada da cidade por um canal de águas áridas, cuja ponte de argamassa tinha uma marquise com um letreiro esculpido por ordem de algum prefeito clarividente: “Lasciate ogni speranza voi ch'entrate”. Nas duas primeiras semanas do cólera o cemitério transbordou, e não ficou um único lugar nas igrejas, apesar de haverem passado ao ossuário comum os restos carcomidos de numerosos próceres sem nome. O ar da catedral ficou rarefeito com os vapores das criptas mal lacradas, e suas portas só vieram a se abrir três anos depois, por volta da época em que Fermina Daza viu Florentino Ariza de perto pela primeira vez na missa do galo.

Na terceira semana o claustro do convento de Santa Clara ficou à cunha até nas alamedas, e foi preciso habilitar como cemitério o horto da comunidade, que era duas vezes maior. Ali escavaram sepulturas profundas para enterrar em três níveis, às pressas e sem caixões, mas foi preciso desistir delas porque o solo revolvido ficou feito uma esponja que ressumava debaixo dos pés uma sangueira nauseabunda.Determinou-se então prosseguir com os enterramentos em A Mão de Deus, uma fazenda de gado de corte a menos de uma légua da cidade, que mais tarde foi consagrada como Cemitério Universal.”

O Amor nos Tempos do Cólera (pags 140/141 - Ed. Record)


Por Ana Dagnino


Don Giovanni, personagem homônimo da ópera de Mozart.


Que Mozart está presente em Gabriel García Márquez, todos sabemos: basta lembrar a cena do pianista visitante que tocou as sonatas do jovem compositor.

Pode -se arriscar que “Elas”, os 25 cadernos cifrados de Florentino Ariza, trafeguem em trilhos paralelos à ária “ Il Catalogo è Questo”, em que o criado Leporello desfila os 2000 casos amorosos do patrão Don Giovanni.

Logo, valem para ambos os versos da ária , em tradução livre:


“Desde que ela use saia

Você sabe o que ele faz.”


Por Ana Dagnino


 

"Em outubro, com as últimas chuvas, chegaram três cartas mais, acompanhada, a primeira , de uma caixinha de pastilhas violeta da Abadia de Favigny"...


Pausa para o Comercial:

O elegante e cosmopolita Dr. Juvenal Urbino, em seu caminho de sedução `a hesitante Fermina Daza, envia suas cartas com famosas balinhas de anis.

Desde 1591, o delicado confeito Anis violette é preparado na Abadia de Flavigny, na região da Borgonha, França.

Envolvidas em fino papel de seda verde são colocadas dentro caixinhas ovais com lindas estampas de época.


Vontade de experimentar?

Elas continuam até hoje e bem charmosas para especiais momentos, estilo Juvenal Urbino.




..."Fumavam uns charutões de bandido que Hildebranda tinha trazido escondidos no forro

do baú, e depois tinham de queimar folhas de papel da Armênia para purificar o ar de

tegúrio que deixavam no quarto"...


Uma história centenária:

O "Papier d`Armenie" foi apresentado pela 1a. vez na Exposição de Paris em 1889, mesmo ano de inauguração da Tour Eiffel.

Trazidas para França por August Ponsot, são folhinhas de fibras especiais feitas com uma

mistura de benjoim e outros aromas, dobradas em forma de acordeom e dentro de um

bloquinho com lindas ilustrações `a la Alfons Mucha.

As folhinhas, depois de acesas, vão se queimando suavemente, liberando aromas purificantes que perfumam o ambiente por muitas horas.


E até os dias de hoje seguem com seus lendários e medicinais poderes...


Por Ana Cristina Cunha


 

Filme | O Amor nos Tempos do Cólera (Mike Newell) - Sequência 04



 




Nas 6 músicas iniciais, Mozart acompanha Juvenal e Fermina pelos caminhos do casamento, da viagem e da vida em Paris - Leporello de D. Giovani, as sonatas alegres e a ressonância

crescente e sedutora da 40a.sinfonia -

Na sequência, temas latinos inspiram o universo burlesco, colorido e intenso das aventuras e mulheres de Florentino Ariza.

E a nostálgica e linda "Chalana" navega com ele, rios de saudade do seu eterno amor por Fermina.

No final, a letra " Vuela Corazón”, de Dasoul parece contar, através da música latina jovem de hoje, do amor de outrora que venceu o tempo.


"Cuéntame cómo estás Hoy te escribo buscando complicidad Sé que sufres en soledad No lo queríamos, pasó y es necesidad


Vuela corazón Huye de este amor Sólo cuéntale que hoy no sé quién soy Vuela corazón, llévate su olor Si tal vez la ves dile que me mata el dolor


Dile que me mata el dolor No es fácil olvidar Cuando olvidaste valorarte No es fácil valorar el amor de quién no pudo amarte No todo está perdido Temo por ser no correspondido Siendo traicionado por haber sido testigo De un desamor"


Ouça a Playlist, clicando aqui.

por Ana Cristina Cunha


---


Quando?

31/08/23 - Ciranda de Leitura | EP.04


Roda de conversa on-line: das 19h30 às 21h

Onde?

Na sua casa através do aplicativo ZOOM - Baixar agora! - (Play Store) - (Apple Store)


---


Para participar, basta cadastrar o seu melhor e-mail em nosso site.

O link de acesso à sala ZOOM será enviado às 08h no dia do evento, além das atualizações das próximas rodas de conversa e cirandas de leitura.


Você também poderá obter o link através do nosso grupo no Telegram.




Siga a Confraria das Lagartixas nas redes sociais.






---


Perdeu alguma de nossas rodas de conversa? Assista as gravações em nosso canal no YouTube.




---


Em parceria com:





Apoio:










436 visualizações0 comentário
bottom of page