top of page

29/06/23 - Ciranda de Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques -EP02

Realização: A Casa Frida & Confraria das Lagartixas



Segunda Parte da Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques


Como acompanhar a nossa ciranda com a leitura


Parágrafo Inicial:


“Florentino Ariza, por outro lado, não deixara de pensar nela um único instante desde que Fermina Daza o rachaçou sem apelação depois de uns amores longos e contrariados, e haviam transcorrido a partir de então cinqüenta e um anos, nove meses e quatro dias." (Na Record, tradução de Antônio Callado, inicia na página 71)


Parágrafo final:


“Florentino Ariza nunca mais teve a oportunidade de ver a sós Fermina Daza, nem de falar a sós com ela nos tantos encontros de suas mui longas vidas, até cinquenta e um anos, nove meses e quatro dias mais tarde, quando lhe reiterou o juramente de fidelidade eterna e amor para todo o sempre em sua primeira noite de viúva.”

(Na Record, tradução de Antônio Callado, vai até a página 132)

O Amor nos Tempos do Coléra - Segunda Parte da Leitura do Livro
.pdf
Download PDF • 46.27MB



Para nossa próxima travessia literária, estipulamos o valor mínimo de R$ 20 por encontro, como forma de contribuição simbólica. Para cobrir custos com marketing e divulgação, aluguel da sala digital, além da curadoria da Confraria das Lagartixas e da A Casa Frida.



Gabriel García Márquez – aforismos e excertos


“Mergulhei nas letras românticas que tanto repudiei quando minha mãe quis me forçar a ler e gostar, e através delas tomei consciência de que a força invencível que impulsionou o mundo não foram os amores felizes e sim os contrariados.”

– Gabriel García Márquez, no livro “Memória de minhas putas tristes”. Rio de Janeiro: Record, 2005.


“Descobri que minha obsessão por cada coisa em seu lugar, cada assunto em seu tempo, cada palavra em seu estilo, não era o prêmio merecido de uma mente em ordem, mas, pelo contrário, todo um sistema de simulação inventado por mim para ocultar a desordem da minha natureza.”

– Gabriel García Márquez, no livro “Memória de minhas putas tristes”. [tradução Eric Nepomuceno]. Rio de Janeiro: Record, 2005.


“Certa vez ele dissera algo que ela não podia conceber: os amputados sentem dores, cãibras, cócegas, na perna que não têm mais. Assim se sentia ela sem ele, sentindo que ele estava onde não mais se encontrava.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“[…] achava mais fácil suportar as dores alheias que as próprias.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“[…] nunca teve pretensões a amar e ser amada, embora sempre nutrisse a esperança de encontrar algo que fosse como o amor, mas sem os problemas do amor.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas e que graças a esse artifício conseguimos suportar o passado.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“[…] tinha vivido junto o suficiente para perceber que o amor era o amor em qualquer tempo e em qualquer parte, mas tanto mais denso fica quando mais perto da morte.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“Lembrou a ele que os fracos não entram jamais no reino do amor, que é um reino impiedoso e mesquinho, e que as mulheres só se entregam aos homens de ânimo resoluto, porque lhes infundem a segurança pela qual tanto anseiam para enfrentar a vida.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


– Responda a ele que sim – disse.– Ainda que você esteja morrendo de medo, ainda que depois se arrependa, porque seja como for você se arrependera a vida inteira se disser a ele que não. – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“Um homem sabe quando começa a envelhecer porque começa a parecer com o pai.” – Gabriel García Márquez, no livro “O amor nos tempos do cólera”. [tradução Antônio Callado]. 35ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2009.


“A vida é a melhor coisa que já se inventou.” – Gabriel García Márquez, no livro “Ninguém escreve ao Coronel”. [tradução de Danubio Rodrigues; ilustração de Carybé]. 24ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2011.



 

“O Amor nos Tempos de Cólera” – Gabriel García Márquez

por Helena Rodrigues


Em pleno século XX, na cidade costeira de Cartagena, na Colômbia, o doutor Juvenal Urbino morre na sequência de uma queda de uma árvore ao tentar capturar o seu papagaio, que fugira. Fermina Daza, mulher do médico, vê-se assim a braços com o luto e com a sensação de vazio que se segue à perda daqueles com quem se partilha a vida de todos os dias. Ainda à deriva no mar do luto, é com incredulidade que Fermina se depara, no fim do velório do marido, com a figura lúgubre de Florentino Ariza, que viera de propósito para lhe declarar a persistência dos seus votos juvenis de amor eterno.


É esta irrupção despropositada de emoções que motiva a analepse que nos transporta até ao final do século XIX, à época em que Florentino Ariza e Fermina Daza, jovens, ingénuos e amantes platónicos, trocavam cartas de amor e sonhavam com um futuro em que a sua paixão poderia florescer livremente e em todo o seu esplendor. No entanto, a passagem do tempo e a imposição da realidade não deram margem ao jovem casal para realizar os seus planos: quando puderam voltar a ver-se, depois de uma longa viagem que o pai de Fermina a obrigara a fazer para esquecer Florentino, a rapariga foi tomada pela desilusão e percebeu que três anos de cartas não tinham resultado em nada senão ilusões.


Com o passar dos anos e por influência da família, Fermina Daza acaba por casar com o doutor Juvenal Urbino, um médico conceituado que concluíra os seus estudos no estrangeiro e cujo pai se destacara no combate à epidemia de cólera que assolara o país, algumas décadas atrás. Enquanto Fermina se dedica à sua nova vida, serpenteando entre a sua nova classe, desfrutando de viagens e aprendendo que um casamento, mais do que a felicidade, persegue a estabilidade, Florentino Ariza salta de mulher em mulher, recusando qualquer compromisso que pusesse em causa o propósito mais elevado da sua vida: reconquistar Fermina Daza.


Poderá uma paixão juvenil durar para sempre?


Num romance circular que cobre a vida inteira das suas personagens principais, Gabriel García Márquez retrata com mestria a complexidade do amor nas suas diversas formas: o amor ilusório, o amor casual, o amor instituído por um casamento sem paixão e o amor verdadeiro que não conhece limites. Tratando-se de um enredo mais desenrolado em torno das personagens do que concentrado numa sequência de eventos, O Amor nos Tempos de Cólera constitui um testemunho da força inexorável do amor e uma prova de que a busca da felicidade não tem um meio nem uma idade própria.


Apesar de ter apreciado a maneira como Márquez, sem recorrer a grandes artifícios de linguagem e reviravoltas da ação, capta as metamorfoses na vivência do amor ao longo da vida, não nego que me senti um pouco incomodada com o episódio de pedofilia que constitui a última paixoneta de Florentino Ariza. No entanto, e dado que a literatura deve ser encarada como uma arte alheia aos padrões da vida real, penso que o leitor deve ter a flexibilidade necessária para o observar como a representação de mais uma das faces do amor e, posteriormente, das consequências que dele podem resultar.


Por fim, ao iniciar-se com uma revelação acerca de um recém-falecido e evoluindo através das relações ocultas e sentimentos reprimidos de todo um universo de personagens com vida própria, este é um livro sobre os segredos que, como diria Carlos Ruiz Zafón, todos escondem “no sótão da alma”.


Assim, O Amor nos Tempos de Cólera não é só um romance sobre o amor nas suas variadas formas, mas também uma história sobre o luto, o desejo, as disparidades sociais, a felicidade e o preconceito. Um romance que vem provar-nos que, de facto, numa vida cabem muitas.


“deixou-se levar pela sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as suas mães os dão à luz, mas que a vida os obriga a parirem-se a si mesmos.”


 

Filme | O Amor nos Tempos do Cólera (Mike Newell) - Sequência 02


 

Música | O Amor em Tempos de Cólera - Fernanda Takai e Virginie Boutaud


 

O Amor nos Tempos do Cólera por Léa Macedo, inspirada nas obras de Marc Chagall


Léa Macedo flutua nas obras e na vida de Marc Chagall, associando suas imagens ao romance de Gabriel García Márquez - O Amor nos Tempos do Cólera.


 




Gabo e Chagall

Uma elegia ao amor.

por Ana Cristina Cunha

Ouça a Playlist, clicando aqui.


---


Quando?

29/06/23 - Ciranda de Leitura | EP.02


Roda de conversa on-line: das 19h30 às 21h

Onde?

Na sua casa através do aplicativo ZOOM - Baixar agora! - (Play Store) - (Apple Store)


---


Para participar, basta cadastrar o seu melhor e-mail em nosso site.

O link de acesso à sala ZOOM será enviado às 08h no dia do evento, além das atualizações das próximas rodas de conversa e cirandas de leitura.


Você também poderá obter o link através do nosso grupo no Telegram.




Siga a Confraria das Lagartixas nas redes sociais.






---


Perdeu alguma de nossas rodas de conversa? Assista as gravações em nosso canal no YouTube.




---


Em parceria com:





Apoio:










528 visualizações0 comentário
bottom of page