top of page

27/07/23- Ciranda de Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques -EP:03

Realização: A Casa Frida & Confraria das Lagartixas



Terceira Parte da Leitura do Livro "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel García Márques


Como acompanhar a nossa ciranda com a leitura


Parágrafo Inicial:


“O doutor Juvenal Urbino tinha sido aos vinte e oito anos o mais cobiçado dos solteiros. Voltava de uma longa estada em Paris, onde fez estudos superiores de medicina e cirurgia, e logo que pisou terra firme deu mostras definitivas de que não perdera um minuto de seu tempo." (Na Record, tradução de Antônio Callado, inicia na página 133)


Parágrafo final:


“No entanto, quando regressou a casa esmagada por tantas experiências juntas, cansada de viajar e meio sonolenta da gravidez, a primeira coisa que lhe perguntaram no porto foi o que achara das maravilhas da Europa, e ela resumiu muitos meses de ventura com três palavras, no seu modo de falar caribe:

- É mais onda.”

(Na Record, tradução de Antônio Callado, vai até a página 203)

O Amor nos Tempos do Coléra - Terceira Parte
.pdf
Fazer download de PDF • 52.65MB



Para nossa próxima travessia literária, estipulamos o valor mínimo de R$ 20 por encontro, como forma de contribuição simbólica. Para cobrir custos com marketing e divulgação, aluguel da sala digital, além da curadoria da Confraria das Lagartixas e da A Casa Frida.



Ecopsychology por Luisa Rivera

O amor nos tempos da ilusão


As ilusões e as fantasias fazem parte da constituição do nosso psiquismo. Está presente na criança ao brincar e o faz de conta. A capacidade de criar e inventar histórias é o que dá consistência à nossa capacidade de simbolizar. E é por meio também da fantasia que amarramos o tempo - o passado, presente e futuro. Remetemos sensações do presente a algo que vivemos no passado fantasiado e que lançamos ao futuro.

No caso da paixão amorosa, o objeto amado se torna tudo, cria-se a ilusão de que esse outro idealizado terá o segredo de tudo o que lhe falta. Há o desejo de se devorar o outro, como Florentino faz ao comer as flores que tem o cheiro de sua amada. Sendo assim, os sintomas de abstinência de Florentino são os mesmos sintomas do cólera, sente grande mal ao ser privado de seu amor. Como se estar com Fermina fosse preencher o vazio da sua existência - ilusão da completude narcísica. Há um momento inicial da formação do eu, quando fomos bebês em que há uma ilusão de onipotência em que o bebê acredita ser tudo para sua mãe e vice versa.


O apaixonado adulto quer a todo custo reconquistar este paraíso perdido de sua primeira infância.

Há um trabalho de luto a ser feito sobre as idealizações ilusórias do objeto amado.

Quando Fermina reencontra Florentino algo cai da sua fantasia, encontra um pobre homem, sente o abismo do desencanto. Quando vê a falta nele, não a sustenta. Ele cai de suas idealizações, deixando de ser seu objeto de amor.

Mas como fazer a travessia do amor puramente ilusório, em que o outro o completa em tudo, para o amor real, onde há falta e frustração? Como resistir este amor à prova da realidade?


Florentino parece apaixonado pela ideia de um amor quase mágico, que resiste a tudo.


Há o mito do amor paixão, sinônimo de se unir e se confundir com o amado, nesta relação se nega a falta, já que se supõe que o outro trará a completude e vice versa no campo das idealizações. A falta na psicanálise, é constitutiva, desejamos pois há falta.

O ser que o amor se dirige é uma fantasia, uma ficção. Nesse sentido como diria Lacan “Amar é dar o que não se tem” - para ele o amor cortês é o único que expressa o verdadeiro amor. Nesta relação a troca de amor seria o nada por nada, o sujeito se sacrifica para além daquilo que tem. Sendo assim, o amor cortês se inscreve no regime da frustração.


Houve um tempo em que Florentino e Fermina pareciam estar conectados a seguir juntos, quando Fermina aceita seu pedido de casamento exigindo apenas que ele não a obrigue a comer berinjelas. Mas esse tempo se esvai, há outras navegações, ela volta transformada da “viagem do esquecimento” talvez mais do que imaginava, enquanto Florentino espera por sua amada se entretendo com as buscas ao tesouro, algo mais da ordem infantil. Apesar de não realizarem a travessia do amor ilusório para um mais real no encontro com o outro, a esperança permanece no “museu do amor” de Florentino que o mantém desejante de um possível reencontro. Seguimos na saga de Florentino na espera por seu amor contrariado.



A beleza de"El Amor en los Tiempos del Cólera", de Gabriel García Márquez, na versão ilustrada.


'Amor em tempos de cólera', de García Márquez, ilustrado por Luisa Rivera.

Os amores contraditórios de seus pais inspiraram Gabriel García Márquez (1927-2014) a escrever aquele que seria seu romance favorito e pelo qual, disse, gostaria que fosse lembrado: O amor nos tempos do cólera . Ele o publicou em 1985, três anos depois de receber o Prêmio Nobel de Literatura. Um grande romance que homenageia os folhetins de amor do século XIX, protagonizados por Florentino Ariza e Fermina Daza. O amor inocente e profundo até ao delírio e à febre, o amor eterno não correspondido que se espera para toda a vida, a espera compensada “cinquenta e três anos, sete meses e onze dias com as suas noites” depois.

É uma das mais belas histórias de amor em substância e forma com uma linguagem em que García Márquez reflete os muitos e desconhecidos sentimentos, descrevendo com maestria as agonias e as sensações amorosas. É um de seus romances mais poéticos para criar um tratado sobre amor, romance, paixão, dor e espera.

No quinto aniversário da morte de García Márquez, em 17 de abril de 2014, Love in the Time of Cholera chegará às livrarias em 14 de março em uma versão ilustrada por Luisa Rivera, editada pela Random House Literature. É o segundo trabalho de Rivera com obras do autor colombiano, como já fez com Cem Anos de Solidão.

WMagazín apresenta algumas das ilustrações do clássico livro do escritor colombiano. Ao lado deles estão trechos do romance que resumem sua história. Este furo se soma ao que damos, também, do livro biográfico A flor amarela do mágico , de Gustavo Tatis Guerra (Navona).

Convidamos você a entrar no mundo do Amor em tempos de cólera com as ilustrações de Luisa Rivera:

Aqui está o processo criativo para a edição espanhola de Love in the Time of Cholera escrito por Gabriel García Márquez, ilustrado por Luisa Rivera e publicado pela Penguin Random House Grupo Editorial , Espanha. A tipografia do livro, Enrico, foi desenhada por Gonzalo García Barcha, filho do autor. A equipe editorial por trás deste projeto é Nora Grosse (Design e Direção de Arte), Marta Borrell (Direção de Arte) e Albert Puigdueta (Editor).


Luisa Rivera é uma artista chilena radicada em Londres. Ela trabalha principalmente em papel com tintas à base de água, e sua prática artística explora nossa relação com o meio ambiente por meio de múltiplas camadas de interpretação. Seu trabalho utiliza a narrativa para criar cenas habitadas principalmente por mulheres e elementos naturais. Seu trabalho abrange temas como ecologia, feminismo e desenraizamento, muitas vezes sob a perspectiva do realismo mágico.



Processo por trás da capa do livro, usando uma paleta de cores diferente do livro anterior

O começo

Era inevitável: o cheiro das amêndoas amargas sempre o lembrava do destino do amor conflituoso. O Dr. Juvenal Urbino notou-o desde o momento em que entrou na casa ainda às escuras, onde viera com urgência tratar de um caso que para ele deixara de ser urgente há muitos anos. O refugiado antilhano Jeremiah de Saint-Amour, inválido de guerra, fotógrafo infantil e seu adversário de xadrez mais compassivo, salvou-se dos tormentos da memória com um incenso de cianeto de ouro.


'Amor em tempos de cólera', de García Márquez, ilustrado por Luisa Rivera./WMagazín

O romance de Florentino Ariza com Fermina Daza

«Na realidade, Fermina Daza sabia muito pouco daquele pretendente taciturno que aparecera na sua vida como uma andorinha do inverno, e cujo nome ela nem saberia se não fosse a assinatura da carta. Ele descobriu desde então que era o filho órfão de uma solteirona trabalhadora e séria, mas marcado além do reparo pelo estigma de fogo de um único jovem perdido. Ela soube que ele não era um mensageiro de telégrafo, como ela supunha, mas um assistente bem qualificado e com um futuro promissor, e pensou que ele havia levado o telegrama para seu pai apenas como pretexto para vê-la (...)

Foi o ano do caso de amor feroz. Nem um nem outro tinham vida para outra coisa senão pensar no outro, sonhar com o outro, esperar cartas com a mesma intensidade com que as respondia. Nunca naquela primavera de delírio, nem no ano seguinte, tiveram oportunidade de se comunicar por voz».



Esboços diferentes (3) para cada cena do livro
'Amor em tempos de cólera', de García Márquez, ilustrado por Luisa Rivera. /WMagazine

viuvez

«Desde o primeiro momento da viuvez viu-se que Fermina Daza não era tão indefesa como o marido temia. Foi inflexível na determinação de não permitir que o cadáver fosse utilizado em benefício de qualquer causa, e foi-o ainda com o honorário telegrama do Presidente da República, que ordenou a sua exposição em câmara ardente na assembleia. salão do governo provincial. (…)

Fermina Daza dispensou a maioria no altar, mas acompanhou o último grupo de amigos íntimos até a porta da rua, para fechá-la ela mesma, como sempre fizera. Ia fazê-lo no último suspiro, quando viu Florentino Ariza vestido de luto no centro da sala deserta. Alegrou-se, porque fazia muitos anos que não o apagava de sua vida, e era a primeira vez que o via totalmente purificado pelo esquecimento. Mas antes que ela pudesse agradecer a visita, ele colocou o chapéu no coração, trêmulo e digno, e estourou o abscesso que havia sido o suporte de sua vida.

"Fermina", disse-lhe, "esperei esta ocasião por mais de meio século, para repetir mais uma vez o juramento de minha eterna fidelidade e meu amor para sempre."



Processo desde os primeiros esboços até a pintura final

Uma viagem no 'New Fidelity'

“Había gastado mucho dinero, mucho ingenio y mucha fuerza de voluntad para que no se le notaran los setenta y seis años que había cumplido el último marzo, y estaba convencido en la soledad de su alma de haber amado en silencio mucho más que nadie jamás nesse mundo. (…)

Assim, o Nueva Fidelidad zarpou na madrugada do dia seguinte, sem carga nem passageiros, e com a bandeira amarela do cólera tremulando jubilosamente no mastro principal. (…)

-Vamos continuar direto, direto, direto para La Dorada.

Fermina Daza estremeceu, porque reconheceu a voz antiga iluminada pela graça do Espírito Santo, e olhou para o capitão: era o destino. Mas o capitão não viu, porque ficou estupefato com o tremendo poder de inspiração de Florentino Ariza-

-Você está falando sério? -te pergunto.

"Desde que nasci", disse Florentino Ariza, não disse nada que não fosse sério.

O capitão olhou para Fermina Daza e viu nas pestanas os primeiros reflexos da geada invernal. Então olhou para Florentino Ariza, seu domínio invencível, seu amor destemido, e se assustou com a suspeita tardia de que é a vida, mais que a morte, que não tem limites.

-E por quanto tempo você acha que podemos continuar com esse vai e vem do inferno? -te pergunto.

Florentino Ariza preparara sua resposta durante cinqüenta e três anos, sete meses e onze dias e noites.

"Toda a minha vida", disse ele.


As guardas do livro, criadas como molde

O livro é composto por cubiertas, guardas, capítulos para cada seção e ilustrações internas. Além disso, esta edição tem um mapa ilustrado de Cartagena, lugar onde transcorre a história, que também apresenta os personagens principais.

© Luísa Rivera
 

Filme | O Amor nos Tempos do Cólera (Mike Newell) - Sequência 03



 



Gabo e Chagall

Uma elegia ao amor.

por Ana Cristina Cunha

Ouça a Playlist, clicando aqui.


---


Quando?

27/07/23 - Ciranda de Leitura | EP.03


Roda de conversa on-line: das 19h30 às 21h

Onde?

Na sua casa através do aplicativo ZOOM - Baixar agora! - (Play Store) - (Apple Store)


---


Para participar, basta cadastrar o seu melhor e-mail em nosso site.

O link de acesso à sala ZOOM será enviado às 08h no dia do evento, além das atualizações das próximas rodas de conversa e cirandas de leitura.


Você também poderá obter o link através do nosso grupo no Telegram.




Siga a Confraria das Lagartixas nas redes sociais.






---


Perdeu alguma de nossas rodas de conversa? Assista as gravações em nosso canal no YouTube.




---


Em parceria com:





Apoio:










796 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page