top of page

21/03/24 - EP:01 Ciranda de Leitura - Dom Casmurro de Machado de Assis

Atualizado: 7 de mar.

Realização: A Casa Frida & Confraria das Lagartixas


21/03/24 - 19h30 - via Zoom

Excepcionalmente este encontro será na penúltima quinta-feira do mês.








Primeira Parte da Leitura do Livro "Dom Casmurro" de Machado de Assis


Como acompanhar a nossa ciranda com a leitura


ENCONTRO 1:

Cap 1 ao 37

Cap I ao XXXVII


Parágrafo Inicial:

Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei num trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu.


Parágrafo final:

Ouvimos o ferrolho da porta que dava para o corredor interno era a mãe que abria. Eu, uma vez que confesso tudo, digo aqui que não tive tempo de soltar as mãos da minha amiga; pensei nisso, cheguei a tentá-lo, mas Capitu, antes que o pai acabasse de entrar, fez um gesto inesperado, pousou a boca na minha boca, e deu de vontade o que estava a recusar à força. Repito, a alma é cheia de mistérios."



Dom Casmurro - Encontro 1 (Cap 1 ao 37)
.pdf
Download PDF • 485KB


 


“Espanta-me que um escritor de tal grandeza não ocupe ainda, na literatura universal, o lugar que merece”

Susan Sontag


Uma das mais importantes e influentes intelectuais norte americanas da segunda metade do século XX. Professora, ativista na defesa dos direitos das mulheres e dos direitos humanos em geral, ficcionista e ensaísta frequentemente premiada e amplamente traduzida.




"Há quem me diga que Brás Cubas não cita Diderot simplesmente porque não o leu", escreve o prêmio Nobel de Literatura.

"Pode ser. Mas ninguém me tira da cabeça que então era Diderot quem lia Brás Cubas…"

José Saramago



“Se Jorge Luís Borges é o escritor que tornou Gabriel Garcia Márquez possível, então, não é exagero dizer que Machado de Assis é o escritor que tornou Borges possível”.

Salman Rushdie


Rushdie integra a série dos grandes livros do século XX da Penguin Books. O autor combina realismo mágico com ficção e história em narrativas repletas de conexões entre Oriente e Ocidente.




“Machado de Assis é um autor do século passado, mas seus livros poderiam ter sido escritos neste ano. É perspicaz e espirituoso. É um escritor brilhante e moderno.”

Woody Allen


Woody Allen é cineasta, ator e comediante estadunidense cuja carreira se estende por mais de seis décadas. Allen recebeu muitos elogios, incluindo o maior número de indicações ao Oscar de Melhor Roteiro Original




Helen Caldwell, tradutora profissional, professora do Departamento de Letras Clássicas, da Universidade da Califórnia (UCLA), em Los Angeles (EUA), gostou tanto de Dom Casmurro que, em 1960, publicou O Otelo Brasileiro de Machado de Assis (Editora Ateliê), onde defende a tese de que Capitu não cometeu adultério nenhum. Ao longo de sua carreira, Caldwell traduziu três outros romances de Machado: Esaú e Jacó, em 1965; Memorial de Aires, em 1972; e Helena, em 1984. E duas coletâneas de contos: The Psychiatrist and Other Stories e What Went on The Baroness, ambos de 1963. Uma curiosidade: em 1966, Caldwell foi convidada pelo editor americano Alfred Knopf (1892-1984), dono da famosa editora que levava seu sobrenome, para traduzir Guimarães Rosa, mas disse não à proposta. "Sou mulher de um homem só", brincou.




"Joaquim Maria Machado de Assis é o principal escritor latino-americano do século XIX e um dos melhores de todos os tempos. Se tivesse nascido na França ou na Inglaterra, não há dúvida de que suas obras ganhariam proeminência no cânone ocidental. No continente americano, ele certamente está no mesmo nível de Melville, Hawthorne e Poe. Nenhum escritor de língua espanhola se aproxima do seu refinamento e da sua originalidade." Echevarría declara que Machado é um "mestre das intrigas psicológicas sutis e dos dramas envolvendo as grandes questões que afligem a humanidade".

Roberto González Echevarría, professor de espanhol e literatura comparada em Yale.




“Machado de Assis é uma espécie de milagre, o mais revigorante dos romancistas brasileiros.”

Harold Bloom


Autor do livro Os 100 Autores Mais Criativos da História da Literatura.

Harold Bloom foi um professor e crítico literário estadunidense. Ocupou o cargo de Sterling Professor, o mais alto grau acadêmico da Universidade Yale. Em 2017, Bloom foi descrito como "provavelmente o crítico literário anglófono mais famoso do mundo".




“Outros leram da vida um capítulo, tu leste o livro inteiro.”

Drummond




“A um Bruxo, com Amor” Carlos Drummond de Andrade

Publicado no livro “A Vida Passada a Limpo” de Carlos Drummond de Andrade


Em certa casa da Rua Cosme Velho

(que se abre no vazio)

venho visitar-te; e me recebes

na sala trastejada com simplicidade

onde pensamentos idos e vividos

perdem o amarelo,

de novo interrogando o céu e a noite.

Outros leram da vida um capítulo, tu leste o livro inteiro.

Daí esse cansaço nos gestos e, filtrada,

uma luz que não vem de parte alguma

pois todos os castiçais

estão apagados.

Contas a meia-voz

maneiras de amar e de compor os ministérios

e deitá-los abaixo, entre malinas

e bruxelas.

Conheces a fundo

a geologia moral dos Lobo Neves

e essa espécie de olhos derramados

que não foram feitos para ciumentos.

E ficas mirando o ratinho meio cadáver

com a polida, minuciosa curiosidade

de quem saboreia por tabela

o prazer de Fortunato, vivisseccionista amador.

Olhas para a guerra, o murro, a facada

como para uma simples quebra da monotonia universal

e tens no rosto antigo

uma expressão a que não acho nome certo

(das sensações do mundo a mais sutil):

volúpia do aborrecimento?

ou, grande lascivo, do nada?



O vento que rola do Silvestre leva o diálogo,

e o mesmo som do relógio, lento, igual e seco,

tal um pigarro que parece vir do tempo da Stoltz e do gabinete Paraná,

mostra que os homens morreram.

A terra está nua deles.

Contudo, em longe recanto, a ramagem começa a sussurrar alguma coisa

que não se entende logo

e parece a canção das manhãs novas.

Bem a distingo, ronda clara:

é Flora,

com olhos dotados de um mover particular

entre mavioso e pensativo;

Marcela, a rir com expressão cândida (e outra coisa);

Virgília,

cujos olhos dão a sensação singular de luz úmida;

Mariana, que os tem redondos e namorados;

e Sancha, de olhos intimativos;

e os grandes, de Capitu, abertos como a vaga do mar lá fora,

o mar que fala a mesma linguagem

obscura e nova de D. Severina

e das chinelinhas de alcova de Conceição.

A todas decifraste íris e braços

e delas disseste a razão última e refolhada

moça, flor mulher flor

canção de manhã nova…

E ao pé dessa música dissimulas (ou insinuas, quem sabe)

o turvo grunhir dos porcos, troça concentrada e filosófica

entre loucos que riem de ser loucos

e os que vão à Rua da Misericórdia e não a encontram.

O eflúvio da manhã,

quem o pede ao crepúsculo da tarde?

Uma presença, o clarineta,

vai pé ante pé procurar o remédio,

mas haverá remédio para existir

senão existir?

E, para os dias mais ásperos, além

da cocaína moral dos bons livros?

Que crime cometemos além de viver

e porventura o de amar

não se sabe a quem, mas amar?


Todos os cemitérios se parecem,

e não pousas em nenhum deles, mas onde a dúvida

apalpa o mármore da verdade, a descobrir

a fenda necessária;

onde o diabo joga dama com o destino,

estás sempre aí, bruxo alusivo e zombeteiro,

que revolves em mim tantos enigmas.

Um som remoto e brando

rompe em meio a embriões e ruínas,

eternas exéquias e aleluias eternas,

e chega ao despistamento de teu pencenê.

O estribeiro Oblivion

bate à porta e chama ao espetáculo

promovido para divertir o planeta Saturno.

Dás volta à chave,

envolves-te na capa,

e qual novo Ariel, sem mais resposta,

sais pela janela, dissolves-te no ar.


— Carlos Drummond de Andrade

Copiado do livro “A Vida Passada a Limpo”, de Carlos Drummond de Andrade, editora Companhia das Letras.


 


Minissérie | Capitu (Luiz Fernando Carvalho) Globo - Sequência 01



 




Ouça a Playlist da minisérie Capitu, clicando aqui. 



 

Ciranda de Leitura - Introdução ao livro Dom Casmurro de Machado de Assis



 

COMO PARTICIPAR?


Para nossa próxima travessia literária, estipulamos o valor mínimo de R$ 20 por encontro, como forma de contribuição simbólica. Para cobrir custos com marketing e divulgação, aluguel da sala digital, além da curadoria da Confraria das Lagartixas e da A Casa Frida.

Selecione o valor de sua assinatura mensal de contribuição abaixo.

Basta realizar o cadastro uma vez que a recorrência do pagamento será mensal.






O link de acesso ao Zoom será enviado por e-mail de cadastro na data do encontro.

 


Gostou do nosso conteúdo?

Deixe o seu comentário neste post.

1.049 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page