top of page

20/04/24 - "O Poderoso Chefão - Parte II " e "A Mulher do Juiz" Francis Ford Coppola e Isabel Allende

Atualizado: 27 de mar.

Confraria das Lagartixas promove Encontro de Cinema, Literatura e Arte.



Filme | O Poderoso Chefão - Parte II

De: Francis Ford Coppola


Michael Corleone, é um Don temido e respeitado, que tenta seguir os passos do pai e fazer com que os negócios da família saiam da clandestinidade e se adequem à legalidade. Em paralelo a narrativa de Michael, temos a origem de seu pai, Vito Andolini, mais tarde conhecido como Don Vito Corleone. Desde criança na Sicília até o início de seu império na charmosa Nova York do começo do século XX.






TRAILER:



 


Não falamos de negócios à mesa.

O Poderoso Chefão



Deixe a arma e pegue o cannoli! O Poderoso Chefão



Um siciliano não pode recusar um pedido no dia do casamento de sua filha.

O Poderoso Chefão



"Não é nada pessoal. São apenas negócios."

O Poderoso Chefão


 

:: Curiosidades sobre a trilogia “O Poderoso Chefão”



1. O diretor, Francis Ford Coppola, esteve prestes a ser demitido


Apesar de ter recebido um Oscar por seu roteiro de Patton — Rebelde ou Herói?, Francis Ford Coppola não foi o primeiro diretor que a produtora Paramount Pictures pensou para comandar o longa. Antes de Coppola aceitar a proposta, vários diretores renomados já haviam rejeitado o projeto. Além disso, quando a produção teve início, vários desentedimentos aconteceram entre o diretor e o estúdio, sobretudo porque os executivos queriam um filme de gângsters mais violento. Por esse motivo, Coppola estava sempre ameaçado de demissão. A coisa ficou tão tensa que diretores suplentes foram contratados: eles ficavam esperando no set para o caso de Coppola realmente ser mandado embora.



2. Inicialmente, Robert De Niro fez testes para o papel de Sonny


Inicialmente, Robert De Niro fez testes para o papel de Sonny na primeira parte, mas Coppola considerou que o ator tinha uma personalidade violenta demais para interpretar o personagem. Contudo, mais tarde De Niro foi o escolhido para viver o jovem Vito Corleone em O Poderoso Chefão — Parte II, papel que rendeu a ele o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.



3. O gato era um vira-lata


Durante suas caminhadas diáras pelos arredores do set, Coppola sempre via um gato vira-lata, e no dia marcado para a gravação das cenas em estúdio com Vito Corleone, Coppola pegou o gato e o entregou a Marlon Brando, pedindo que o ator improvisasse algo com o animal. O gato gostava tanto de Brando que sentou tranquilamente entre as pernas do ator durante as filmagens. Porém, quando a equipe de sonoplastia ouviu a fala de Brando, não conseguiu entender aquilo que o ator dizia por conta do ronronar do gato.



4. Sobre o Beijo


O "Beijo da Morte" (em italiano, "Il bacio della morte") é um sinal usado na máfia, que significa que um membro da família do crime foi marcado para morrer, geralmente como resultado de traição. O sinal foi simbolicamente usado nesta cena de "O Poderoso Chefão II"



5. A vida x A arte de Lenny Montana


Lenny Montana foi um ator americano que fez o papel do temido assassino Luca Brasi em O Poderoso Chefão I. Antes de se tornar ator, ele teve uma carreira de sucesso como lutador profissional e trabalhou como executor da família criminosa Colombo.



6. O roteiro não inclui a palavra “máfia”


Depois de ter uma reunião com a Liga Ítalo-Americana de Direitos Civis, organização formada para combater os estereótipos referentes àquela parcela da população, o diretor Francis Ford Coppola concordou em remover do roteiro as expressões “máfia” e “cosa nostra”, apesar de ambas aparecerem no romance publicado em 1969. O filme menciona o sindicato do crime como “as 5 mentiras da família”, e outras frases não italianas.



7. Uma das falas mais icônicas foi improvisada


A frase “Deixe a arma, pegue os cannoli”, dita por Peter Clemenza depois de assassinar Paulie, entrou no filme na última hora. O ator Richard Castellano improvisou a fala após o diretor Francis Ford Coppola adicionar uma frase similar em outra cena, em que a esposa de Clemenza diz: “Não esqueçam os cannoli!”



8. Rober De Niro e Marlon Brando ganharam o Oscar interpretando o mesmo personagem


Ainda durante a edição de 1975 do Oscar, Robert De Niro foi eleito o melhor ator por sua atuação em O Poderoso Chefão — Parte II. Isto fez com que ele e Marlon Brando se tornassem os primeiros e únicos atores a vencer o prêmio da Academia por interpretar o mesmo personagem em 2 filmes diferentes.



9. Os primeiros 2 longas de uma trilogia a vencer o Oscar de melhor filme


Em 1975, O Poderoso Chefão — Parte II tornou-se a primeira sequência da história do Oscar a receber o prêmio de Melhor Filme. A produção se saiu vitoriosa 2 anos depois de o longa original conquistar a mesma façanha. A segunda parte da trilogia foi indicada a nada menos que 11 Oscars.



10. Brando abriu mão do Oscar de Melhor Ator


Em 1973, Marlon Brando ganhou o Oscar de Melhor Ator pelo trabalho em O Poderoso Chefão. Só que o ator não apenas não compareceu à cerimônia como abriu mão do prêmio. No lugar dele, a atriz indígena Sacheen Littlefeather recebeu a estatueta. Em seu discurso, Littlefeather leu uma carta de Brando, que dizia: “Estou representando Marlon Brando esta noite, e ele me pediu para dizer que ele não pode aceitar este prêmio tão generoso devido ao tratamento dado aos nativos americanos atualmente por parte da indústria do cinema”.


 

Conto | A  Mulher do Juiz

De Isabel Allende

Do livro Contos de Eva Luna






"Qualquer habitante da povoação podia jurar, ao vê-lo, que era filho de Joana, a Triste, porque, tal como ela, tinha as pupilas molhadas de lágrimas que não caíam."

A  Mulher do Juiz (Isabel Allende)




"Seus lamentos enchiam toda a aldeia, entravam pelos postigos fechados, o vento enfiava-os pelas portas, os cães apanhavam-nos para repeti-los uivando, contagiavam os recém-nascidos e moíam os nervos de quem os ouvia."

A  Mulher do Juiz (Isabel Allende)



"Ela não baixou os olhos nem se moveu, e ele parou surpreendido, porque, pela primeira vez, alguém o desafiava sem ponta de medo. Mediram-se em silêncio durante alguns segundos eternos, avaliando cada um as forças do outro, estimando a sua própria tenacidade e aceitando que estavam perante um adversário formidável."

A  Mulher do Juiz (Isabel Allende)


 

"Amor, vingança, ciúmes, compaixão, ironia, morte, luxúria e ganância são alguns dos ingredientes dessas histórias. Allende e Coppola, não nos apresentam somente 'uma rajada de balas', mas sim o desnudamento da alma humana."


 

Esperamos por você.


Quando?


20/04/24


Roda de conversa: das 16h às 18h


Onde?


Na sua casa através do aplicativo Zoom (Play Store) (Apple Store)


---


Para participar, é importante cadastrar o seu melhor e-mail em nosso site.


O link de acesso à sala ZOOM será enviado às 08h no dia do evento, além das atualizações das próximas rodas de conversa e cirandas de leitura.


---


Participação Especial:


Apoio:



1.403 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page