04/02/2017 - A cegueira oblíqua do espelho - Desimaginar-se para enxergar: BLACK MIRROR

Atualizado: 3 de fev.



Quem somos nós...


O lado de dentro ou o de fora?


A imagem ​Real ou a Virtual?


A imagem que se projeta para o outro ou a que realmente somos?


O que desejamos ser ou o que realmente somos?


​Somos sonhados ou sonhamos?


Desejar ou ser desejado?


​O que realmente existe por trás do espelho?


(...)


"O Espelho" (Primeiras Estórias - 1962) Guimarães Rosa


O espelho é o centro da obra Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa, onde o narrador, em primeira pessoa, conta de sua luta para provar a falta de lógica e de sentido do mundo. Diante de um espelho, foi descobrindo com o passar dos dias a mentira que é a aparência humana.


Num processo de "desimaginar-se", vai verificando que o homem, como todas as coisas, não passa de uma metáfora. No limite do absurdo, ele chega a ver sua "forma" invisível.


O tema da identidade é tratado através da metáfora do ato de se ver e se reconhecer no reflexo dos espelhos.


[...]


"O Espelho" (Papéis Avulsos - 1882) Machado de Assis


O conto narra uma experiência única que evidencia o quanto se faz real a fixação de uma imagem construída pela farda. É uma imagem que absorve o homem, deixando para trás a face escura do desejo, que permanece sempre em forma de uma interrogação não respondida.


“Cada criatura humana traz duas almas consigo: uma que olha de dentro para fora, outra que olha de fora para dentro... A alma exterior pode ser um espírito, um fluído, um homem, muitos homens, um objeto, uma operação” Machado de Assis


​Machado de Assis esboçou uma nova teoria da alma humana, espelhando o homem em sua enorme ambigüidade de ser para si e ser para o outro.


Até que ponto as imagens convergem?


O que antecede​ -​ o objeto ou a reflexão?


O espelho pode ser o outro a recriar a alma exterior?


Definir-se no que espelha do mundo, sentir-se importante ao assumir um papel representativo na sociedade.


[...]


"O Outro Narciso" (Papéis Inesperados - 1983) Julio Cortázar


​Um belíssimo relato breve, onde o duplo é convocado por um pássaro que ronda a própria imagem refletida num espelho retrovisor. ​


Segundo o querido Cortázar, há amor, esperança e salvação.


"E sem dúvida o nosso tempo...prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser... "(Feuerbach)


Narciso, Dorian e Jacobina carregam em si uma atitude que praticamente todos os humanos possuem. A preocupação pela imagem. Uns até transformam essa preocupação em um orgulho. Vivem apenas pela imagem. O que importa é a aparência. A alma fica por segundo plano. E realmente ainda vivemos na "Sociedade do Espetáculo" que um dia foi descrita pelo filósofo francês Guy Debord, onde este critica essa sociedade mediada por imagens;


"o espetáculo é a afirmação da aparência e a afirmação de toda a vida humana -isto é, social- como simples aparência" (pag.16) e:


"Quando o mundo real se transforma em simples imagens, as simples imagens tornam-se seres reais e motivações eficientes de um comportamento hipnótico" (pag.18)


"...A alma é uma realidade terrível. Pode ser comprada,


vendida, barganhada, intoxicada ou aperfeiçoada.


Há uma alma em cada um de nós. Eu sei"


​Oscar Wilde


Sente-se aqui, e espelhe-se!

---


Esperamos por você.


Material de Apoio:


ACESSE O CONTO - ( Leia Aqui )


E assista à série Black Mirror (Drama, Ficção Científica, Suspense e Mistério | 2011)


Quando?


04/02/2017 às 16h.


Onde?



Av. Moema, 493 – Moema




Realização





Participação




www.acasafrida.com.br



Patrocínio










Av, Jurema, 383.


Al. dos Aicás, 620.


Av. Juriti, 218.


Rua Inhambu, 1285 E







9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo